Follow by Email

terça-feira, 10 de maio de 2011

Tudo começa pela boca

Desde o nascimento, nosso desenvolvimento não ocorre de uma forma uniforme e regular, mas está ligado às muitas vivencias que influem em nossa formação e são repletas de significado nas várias fases da primeira infância.

A primeira fase do desenvolvimento infantil é a fase oral, que ocorre desde o nascimento até os 18 meses, podendo estender-se até os 2 anos em alguns casos. Como bebês, nos desenvolvemos psíquica e nutricionalmente. A boca é a primeira parte do nosso corpo com que percebemos e aprendemos a controlar, tornando-se fonte de prazer e redução de tensão. Nossas necessidades primárias são fome e sede, mas durante a amamentação recebemos, além do alimento, o afeto transmitido por nossa mãe. É por meio da relação mãe-bebê que desenvolvemos as primeiras percepções. A percepção afetiva é predominante em nossa experiência como recém nascidos porque e aí que começamos a desenvolver a capacidade de percepção de nos mesmos e do outro.

Estudos têm mostrado que o aleitamento materno pode aumentar a oportunidade de conhecimento e intimidade entre mãe e filho, e que a estimulação tátil durante o aleitamento é um componente essencial para a interação da díade mãe-bebê. O contato físico entre a mãe e o bebê durante a amamentação é fundamental para o aprendizado do bebê sobre a sua mãe, assim como para a construção de um relacionamento íntimo entre eles. Mães que amamentam ao peito relatam que a cada amamentação têm uma renovada sensação de proximidade, calor e amor, aumentando a ligação com o seu bebê.

A troca de olhares entre mãe-bebê também é uma das modalidades interativas essenciais desde os primeiros dias de vida do bebê.Aproximadamente aos dois ou três meses de vida, o bebê busca o olhar mútuo mais avidamente do que em outras etapas do desenvolvimento. O bebe começa a sorrir e as vocalizações começam a ser dirigidas aos outros. Os bebês assumem o controle de início, manutenção, término e evitação do contato visual nas atividades sociais, que promovem o desenvolvimento do sentido de competência e de controle voluntário do bebê. Estes dois elementos são essenciais para o desenvolvimento da autonomia do bebê.

Os benefícios do leite materno e do ato de amamentar, para o bebê, são comprovadamente indiscutíveis. Seria quase redundante relembrar seu inquestionável valor nutricional para o bebê, mas pouco se fala sobre a mulher diante da função de amamentar. As mães que conquistam a amamentação bem-sucedida descrevem-na como um ícone do vínculo estabelecido na primeira fase de vida de seus filhos. Mas o ato de amamentar, associado a uma atividade natural, atribuída ao instinto materno e comparada ao comportamento animal, muitas vezes não tem nada de simples. Quem já passou pela experiência sabe que é um grande desafio para a mulher que dá a luz, uma conquista das mais sofisticadas para o psiquismo feminino. Lembro-me de minha própria experiencia: os mamilos rachados, o"leite empedrado", o cansaço...

Esta constatação não deve assustar mulheres que pretendem amamentar e pode ser um alívio para as que atribuem os entraves próprios da amamentação à falta de habilidade e competência pessoal.

Inicialmente a mãe e o bebê devem criar uma relação de conhecimento mútuo e ele pode ser representado na amamentação. A sensação de desconforto e ameaça que a fome desperta no bebê pode levá-lo ao desespero. Para a mãe, que se identifica com as emoções do filho, são momentos igualmente dolorosos.

Amamentar demanda dedicação, empenho e gera cansaço, por isso muitas vezes são necessárias estratégias de auxílio nesta fase. O bebê mama em curtos espaços de tempo e não é possível delegar a função, pois o vínculo é tão importante quanto o leite. Nos intervalos, o sono é vital, mas a mãe também precisa de outras atividades para espairecer, pois muitas vezes, uma carreira dinâmica e produtiva é pausada pela chegada do bebe e o fato de ficar em casa todo o tempo na rotina com o bebê pode tornar a amamentação uma tarefa cansativa e enfadonha. Para tanto é fundamental que tenha o suporte e compreensão de toda a família para que esse se torne um momento de aprendizado e de desfazer-se dos medos e das fantasias que fazem parte desse processo.

A oralidade é um prazer fundamental da vida humana que nos acompanha por toda a vida. Já percebeu que tudo o que fazemos na vida adulta precisa ser recheado de prazer oral? Raramente vemos um nascimento, um casamento, uma formatura, um negócio bem feito, sem uma boa come-moração... Uma visita sem pelo menos um cafezinho fica tão sem graça, sem falar nos grandes jantares românticos, que numa esfera de conquista e sedução, são minuciosamente pensados e elaborados e celebrados pelos apaixonados.

Comida e afetividade estão mais que diretamente ligados. É por isso que é tão difícil fazer dieta ...

O Leite

O leite é o alimento natural com a maior concentração de Cálcio - mineral essencial para a formação e a manutenção da integridade dos ossos, o que acontece da gestação até cerca dos 25 anos. Depois disso, o Cálcio é necessário para manter a integridade dos ossos. O Cálcio do leite, em função de sua forma química e da presença da lactose, é mais facilmente absorvido pelo organismo do que o presente em outros alimentos.

O leite integral é um bom fornecedor de energia para as atividades do dia-a-dia (por isso é ideal para as crianças) e tem boa quantidade de vitamina A, que ajuda no crescimento das crianças e melhora as suas defesas contra as doenças infecciosas. Além da vitamina A, o leite também tem significativa quantidade de vitamina B1, importante na produção da energia de que o corpo precisa, e de vitamina B2, reguladora da utilização de proteínas, gorduras e açúcares. As proteínas do leite são completas, propiciando a formação e a manutenção dos tecidos do organismo.


Além do Cálcio, o leite também contém boa quantidade de Fósforo, que ajuda na formação dos ossos. Além disso, 2 copos diários de leite atendem a quase toda a necessidade de Manganês, nutriente importante no aproveitamento das gorduras e no funcionamento do cérebro. Além disso, o leite possui Niacina que mantém o funcionamento normal das enzimas e ajuda o organismo a processar açúcares e ácidos graxos. É importante também para o desenvolvimento do sistema nervoso; A Riboflavina é outro componente do leite que ajuda a produzir energia nas células do organismo e exerce papel vital no desenvolvimento do sistema nervoso.

Alimentos x Humor:

Uma bela noite de sono: Sim, beber um copo de leite morno 15 minutos antes de ir para a cama pode ser um eficiente remédio para garantir uma boa noite de sono. O leite morno provoca uma agradável sensação de relaxamento e conforto. A justificativa para isso está em uma substância indutora do sono, chamada triptofano, presente no leite. Esse aminoácido aumenta a quantidade de serotonina no cérebro, um neurotransmissor bastante importante no processo do desencadeamento do sono. Não é à toa que os bebês mamam e depois dormem profundamente. E por que o leite deve ser morno? Ao serem aquecidos, os aminoácidos são mais facilmente assimilados e absorvidos pelo organismo.

Certas estavam as nossas mães...

Receitinha: pra fazer, degustar e compartilhar:

Tenho um carinho especial pela receita que vou compartilhar com vocês. Foi o primeiro bolo que minha filha Maressa, nos seus 12 anos, preparou quando eu estava operada. Ficou maravilhoso e as visitas mal acreditavam que aquele bolo tinha sido feito por aquela pequena. De mim, Maressa herdou o gosto pela cozinha, mas hoje só prepara este bolo para o seu querido Neizinho (noivo).

Bolo Gelado

(carinhosamente apelidado por minhas filhas de “bolo molhadinho”) http://tudogostoso.uol.com.br/imagens/v3/b.gif

Ingredientes:

4 ovos

8 colheres de açúcar

8 colheres de farinha de trigo

8 colheres de água

1 colher de sopa de fermento em pó

Para a cobertura:

1 garrafa pequena de leite de coco

1 garrafa de leite ( utilize a mesma garrafa do leite de coco como medida)

1 lata de leite condensado

1 pacote de coco ralado sem açúcar

Preparo:

1. Numa batedeira, bata os ovos e água e o açúcar até que fique uma mistura bem fofa e aerada (aproximadamente 10 minutos)

  1. Com a batedeira desligada, acrescente a farinha aos poucos, juntamente com o fermento, misturando em movimentos envolventes
  2. Despeje a massa numa forma média, untada e enfarinhada
  3. Asse em forno pré-aquecido em temperatura média por aproximadamente 30 minutos ou até dourar

Cobertura:

  1. No liquidificador, misture o leite de coco, o leite e o leite condensado
  2. Assim que o bolo tiver assado, e enquanto ainda estiver quente, fure toda a sua superfície com um garfo e despeje a cobertura sobre ele
  3. Cubra com o coco ralado
  4. Leve à geladeira por aproximadamente 3 horas
  5. Corte o bolo em quadradinhos do tamanho que preferir e embrulhe com papel alumínio
  6. Conserve na geladeira
  7. Se o leite tiver fresquinho o bolo pode durar até 1 semana, isso se não acabarem com ele bem antes

Alimento para a alma:

“Felizes as pessoas que têm fome e sede de fazer a vontade de Deus, pois ele as deixará completamente satisfeitas.Mateus 5:6 (Bíblia na linguagem de hoje)

3 comentários:

  1. Blog da Mo Cuishlinha, o próximo passo é a Doceria...

    Que que eu sei fazer de bom e que vai pro blog? Macarrão ao molho branco? Mas macarrão só é bom pra engordar... vale? hihi
    :*

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo post. E deu vontade de comer bolo molhadinho! Ass. Neizinho

    ResponderExcluir
  3. Ai que orgulho da minha mamãe blogueira! Amo tanto você e tá tudo lindo :*

    ResponderExcluir